a·li·e·na·do. aquele que, voluntariamente ou não, se mantém distanciado das realidades que o cercam.

O Aecismo e a propaganda (08/10/2014)

Ao longo de 8 anos, quem é mineiro pôde ver de perto como funciona a estratégia de governo do candidato à presidência Aécio Neves. Essa estratégia passa por 2 pontos importantes:

  1. Investimento milionário em propaganda;
  2. Controle da mídia, desde a mídia tradicional até as redes sociais.

Bolsa Escola para 2%

O jeito de governar criado por FHC, como se pretende mostrar aqui,  foi aprimorado por Aécio Neves. Trata-se sempre de uma mesma estratégia tucana: faz-se um programa social com alcance mínimo e publicidade máxima. FHC, por exemplo, criou a Bolsa Escola para atender a apenas 5 milhões de pessoas, num universo de 202 milhões. Uma política que atende a apenas 2% da população não pode ser classificada de política pública. Ora, um país de 202 milhões de pessoas exige políticas federais robustas.

O Bolsa Família é um programa para 50 milhões de pessoas. É justamente essa escala que faz toda a diferença  e nos permite chamar o Bolsa Família de política pública. É a escala que mostra de fato uma vontade real de mudança. Ao contrário das políticas do PSDB que têm como objetivo principal sua utilização exaustiva em campanhas publicitárias. Vejamos:

 

Poupança Jovem para 1%

Já citamos aqui o caso da Bolsa Escola, programa de alcance mínimo do governo FHC. Na mesma linha, podemos citar também o programa Poupança Jovem, criado por Aécio Neves durante o governo de Minas que prometia entregar R$3.000 ao aluno no final do ensino médio, caso o aluno cumprisse requisitos de frequência e atividades extras.  Mais uma vez chegamos ao problema da escala. Embora amplamente divulgado e propagado, o benefício atingiu apenas 1% das cidades mineiras, conforme relato da Folha de São Paulo (abaixo). Pra ser mais preciso, o Poupança Jovem só existiu em 9 dos 853 municípios mineiros. Mas essa abrangência mínima não era problema para o governador, já que milhões foram gastos em propaganda pra divulgar o programa sem que fosse necessário mostrar sua absoluta falta de alcance.
poupança jovem

Pro-Aero

Criado durante a gestão Aécio Neves no governo de Minas, o Pro-Aero prometia expandir a malha aeroviária do Estado com a construção de 14 aeroportos, além de melhorias em alguns aeroportos existentes. Pois bem: dos 14 aeroportos previstos, foram construídos apenas 2, sendo um deles o famoso aeroporto de Cláudio, construído com dinheiro público no terreno que era do seu tio, bem ao lado da fazenda de propriedade da família do então governador. A obra foi concluída em 2010 e o próprio Aécio já admitiu publicamente ter usado o aeroporto de Cláudio, mesmo sem ter ao menos a autorização da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil) para operar.

pro-aero

Além disso, foram gastos R$13,9 milhões nas obras do aeroporto de Cláudio, para uma cidade de apenas 27,3 mil habitantes (segundo dados de 2013 do IBGE). De acordo com reportagem do Estadão, o valor gasto na pista equivale a quase três vezes a média de investimentos em outras cidades. Mas isso não impediu que o Pro-Aero fosse massivamente citado em propagandas do Governo de Minas e vendido como programa inovador.

Choque de Gestão

O Choque de Gestão seria, em tese, uma política de governo proposta pelo Governo Aécio Neves  em Minas visando reduzir gastos e promover o desenvolvimento do Estado. Na prática, o que se viu foi um punhado de medidas marqueteiras, meramente com finalidade publicitária, acompanhado de outras, que significavam o sacrifício dos salários dos servidores do executivo estadual e as necessidades das camadas mais carentes da população mineira.

Logo no começo do governo Aécio, foi anunciado um corte drástico nos cargos comissionados e no número de secretarias. Tais cortes aconteceram e foram amplamente divulgados, à época,  pelos publicitários tucanos. Depois de feito o estardalhaço promocional, aos poucos e silenciosamente foram sendo restabelecidos tanto os cargos comissionados quanto as secretarias. Os cortes no início do governo foram alvo de intensa campanha de marketing. Já o restabelecimento de cargos e secretarias se deu em absoluto silêncio.

cargos

secretarias

Controle da Mídia

Por fim, deve ser citado o fator talvez que mais chama atenção em relação ao “jeito Aécio de governar”. Como se pôde ver ao longo deste texto, em momento algum foi utilizada como fonte qualquer matéria contra Aécio Neves publicada por jornais mineiros. Isso por uma razão muito simples: a imprensa mineira não publica matéria contrárias ao ex-governador tucano.

A imprensa mineira funciona como uma extensão do escritório de publicidade do PSDB em Minas. Alguns que tentaram se rebelar contra isso foram sumariamente demitidos, outros se encontram até presos.

E não é só a mídia tradicional. Até as redes sociais são alvo de censura de Aécio, como podemos ver abaixo.

tuiteiros

Para quem quiser mais informações sobre esse assunto, sugiro 2 documentários disponíveis no youtube:

“Liberdade, essa palavra”. Disponível em:

https://www.youtube.com/watch?v=Y7t20KC068Q

“Gagged in Brazil”. Disponível em:

http://vimeo.com/85397754

Vale a pena ver.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 08/10/2014 por em Política.
%d blogueiros gostam disto: