a·li·e·na·do. aquele que, voluntariamente ou não, se mantém distanciado das realidades que o cercam.

PSOL deveria mirar o exemplo europeu ao tentar fragilizar o PT. (21/09/2016)

*Por MATHIAS DE ALENCASTRO, ESPECIAL PARA A FOLHA.

A tentativa de Fernando Haddad e Luiza Erundina de demonstrar união contra o governo Michel Temer no protesto de domingo da semana passada (11) produziu um efeito contrário ao esperado.

Desorientou um movimento cidadão articulado em volta do “Fora, Temer” e deixou a impressão que a fratura entre PT e PSOL é irremediável.

A duas semanas do primeiro turno, está claro que para o PSOL as eleições municipais são uma oportunidade histórica de tomar o lugar do PT como líder da esquerda.

Tomados por uma visão romantizada de junho de 2013, os seus membros acreditam que o partido pode liderar um movimento popular capaz de purgar a esquerda dos seus pecados e de dar início a uma nova forma de fazer política.

Para sustentar esse ponto de vista, psolistas avançam o exemplo da esquerda europeia pós-2008, e em particular a ascensão do Podemos na Espanha e do Syriza na Grécia.

Eles esquecem que, na Espanha, a afirmação do Podemos produziu uma situação de ingovernabilidade crônica, e os cerca 40% de jovens que ajudaram a levar o partido ao topo continuam desempregados.

O caso do Syriza é ainda mais constrangedor: depois de a União Europeia quebrar a sua espinha no verão quente de 2015, o Syriza tornou-se numa réplica moribunda do Pasok, o grande partido de centro-esquerda laminado pela crise.

Na realidade, a ressurreição de grandes partidos é mais corrente do que a emergência de novas formações na história das democracias ocidentais.

JOGO DA DIREITA

Continuando com o exemplo europeu, Portugal é hoje governado por uma coalização de esquerda encabeçada pelo Partido Socialista.

Na Itália, o Partido Democrático de Matteo Renzi assumiu posição dominante. Ambos os partidos foram dados como mortos poucos anos atrás: os socialistas portugueses foram tirados do poder em 2011, e seu principal líder, José Socrates, foi preso três anos depois.

Na Itália, o Partido Democrático demorou mais de uma década para ressurgir das cinzas da operação Mãos Limpas, tantas vezes comparada à Lava Jato.

Na América Latina, também não faltam exemplos: do peronismo argentino ao Partido da Revolução Institucional mexicano, grandes formações encerraram ciclos de poder de joelhos antes de se reerguerem.

Ao pretender cravar o último prego no caixão do PT, o PSOL realiza o sonho da direita: um segundo turno dominado por candidatos conservadores, e uma esquerda confinada à temática das minorias.

Esses temas são essenciais. Mas devem ser os ferros de lança de um projeto de transformação estrutural da sociedade. Algo que o PSOL, uma constelação de celebridades sem densidade programática, parece incapaz hoje de encarnar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 30/09/2016 por em Folha de São Paulo, Política, Sem categoria.
%d blogueiros gostam disto: